domingo, 22 de abril de 2018

“PREOCUPAÇÃO”


“PREOCUPAÇÃO”
1975

A semente é boa. Mas nem sempre a terra é fértil.
O binômio, semente terra se constitui na equação a ser resolvida pelo semeador persistente e cheio de fé.
É bem verdade que a missão é semear; mas a maior alegria do semeador é quando suas sementes caem em terra fértil.
Ao contrário, se entristece quando caem nos espinheiros.
Daí, “Preocupação”, uma poesia de FREI DANILO MARQUES, Diretor e preletor dos seminaristas em Luzerna 1974/75 e que pela primeira vez, depois de 43 anos vem à lume:

“Olhai os lírios do campo... Olhai e vede que a messe já está madura... Senhor, vós vos preocupastes com os campos, com as sementes, com as flores, com a messe. Conheceis os riscos que corre o semeador. Sabeis dos cuidados que exige cada flor. Como pudestes confiar a mim os cuidados deste jardim? Como cuidar de um canteiro, se nunca fui jardineiro?
Ajudai-me, Senhor, a aplainar o terreno, escolher as sementes, conhecer as espécies. Senhor, como saber se algum verme rói o bulbo do lírio? Se as raízes do craveiro estão sadias? Se a medula do jasmineiro está perfeita? Se existe erva daninha? Vós, mesmo, dissestes que não se deve arrancar o joio, mas deixá-lo crescer junto ao trigo... Porém, neste jardim, poderei agir assim? Será possível Senhor, deixar crescer junto a flor a erva perniciosa?

E a incerteza desditosa põe minha alma em polvorosa.
E eu cavo... e rego... e lido... e podo... e mudo... mas, vem as aves, surgem macegas, chegam formigas, crescem abrolhos e estragam tudo... E eu brado... e peço... e insisto... e imploro... e busco... pois eu confio, Senhor, confio em Vosso Amor; Deixai cair vosso orvalho; Mandai o sol benfazejo; Não falte a chuva fininha; Tirai a erva daninha.
 E, depois de tudo isto, ó meu Senhor Jesus Cristo, dizei-me das minhas plantas, oh, quantas? Dizei-me, quantas vão florir e vicejar, um dia, no vosso altar?”


domingo, 15 de abril de 2018

BONS TEMPOS LUZERNA E AGUDOS

EM LUZERNA - SC: Debértolis, Delcio Lorenzettti, Peruzim, , Frei Ari, Frei Francisco Orth, Frei Danilo atrás do Henrique Pagnoncelli, Werner Spor, Bortoti, Gelso Matiello, Francisco Matiello, Maraschim, Tarcíso Hubner, primeiro a esquerda, em pé, ao lado do Bortoti e Werner, Celso Zocchi, Zollet, Luis Crist, Nelvo Matiello, Sergio Abatti, Gelcio Zanin, Frei Flaviano (sentado). Aguardamos informações para nominar os demais.


Acima de pe: Sergio Hammes, Reinaldo Schreiner como goleiro, Francisco, Turcato, Lindolfo (Tigrinho). Agachados: Salésio, Luis Christ, Tião, Valmor, Tarcísio Hubner e Tenbfen.


Acima na capela de Luzerna: DEON, MASCARELLO, MILTON e...

 ACAMPAMENTO - NATAÇÃO NA CHEIA DO RIO EM AGUDOS SP
TEATRO em Agudos - SP




Em LUZERNA: Ataíde, Renato, Cesar
Em Luzerna, Nichele e outros com FREI ANSELMO, ao tempo da construção da escadaria.












 
















sábado, 7 de abril de 2018

FUNDAMENTOS PARA UMA BOA POLÍTICA

 


      Cesar Techio 
       Economista – Advogado

A grande tradição do evangelho de Jesus Cristo tem sua base na opção preferencial pelos pobres, sendo esta, a pedra fundamental e histórica pela qual devem se orientar, disciplinar e viver no dia a dia, todos aqueles que aceitam o Espírito Santo em suas vidas.

A prosperidade individual não tem muito sentido se não for socializada, compartilhada com os que sofrem e trilham o calvário das necessidades. A compaixão e a caridade devem ser os grandes valores que impulsionam todos os cristãos, de todas as igrejas.

Essa atitude é muito mais do que uma manifestação religiosa, mas ética e moral, na medida em que, verdadeiros cristãos não podem aceitar o gigantesco sofrimento do povo sob o pálio da humilhante miséria gerada pelo desemprego, concentração de riquezas e rendas nas mãos de poucos. Não existe verdadeira conversão sem que vejamos Jesus no pobre e sem que assumamos a causa da pobreza como uma questão prioritária e de promoção de justiça (Mt 25, 31-46; Lc 10, 29-37; Lc 12, 33-34). Deus ama preferencialmente os pobres, não por mérito deles, mas porque são necessitados (Lc 15, 1-24).

A causa da miséria tem sua gênese na opressão econômica e esta tem sua causa na ausência de uma ação política inteligente, corajosa e comprometida com a justiça social. Toda conversão autêntica exige práticas de libertação, de solidariedade e de partilha, mesmo porque decisões governamentais em favor do desenvolvimento são insuficientes para superar o problema da pobreza. É necessário, prioritariamente, mudar as estruturas que oprimem o pobre, vendo o mundo, sob a sua perspectiva.

Não se trata, certamente, de misturar política e religião, uma vez que é necessário separar a fé do fundamentalismo (redução da vida à religião), a fim de não incorrer nos equívocos de alguns países islâmicos que promovem estados religiosos onde tudo se mistura e confunde.
 
O ensaio que propõe articulação entre vivência cristã e política de Estado, passando obviamente pela política partidária, tem a ver com postura pessoal e com viver o reino de Deus, já aqui nesta terra, por meio de projetos que privilegiem uma correta distribuição de renda, respeito pelo meio ambiente, defesa por uma vida digna aos trabalhadores, com salários justos, habitação, saúde, educação.

Estas ideias são, acima de tudo, cristãs e não podem ser consideradas reserva de mercado de uma ou outra igreja, religião, segmento cristão. A própria doutrina social da igreja católica, lapidada em algumas Encíclicas Papais se constituem em paradigma de defesa de ações políticas como forma de construir estruturas sociais e econômicas justas. Todo bom político deveria ler estes documentos, verdadeiros projetos humanitários que buscam aproximar este mundo do Reino de Deus. A começar pela “Rerum Novarum” divulgada pelo Papa Leão XIII, em 1889, seguida da “Anus Quadragesimus” do Papa Pio XI, depois a “Populorum Progressio” do Papa Paulo VI e, finalmente, a “Laborem Exercens” e a “Centesimus Anus” do Papa João Paulo II.

Importa afirmar que, uma fé restrita a mera espiritualidade, desvinculada de valores éticos, humanitários e de práticas cristãs efetivas, se torna ambígua e deve ser superada. Essa superação, com a devida vênia, pode encontrar caminhos, entre outros, através de uma política coerente, honesta e voltada a projetos sociais relevantes. A ideologia da prosperidade em favor de opções temporais meramente privadas ou de interesses individuais é contraditória. A graça do Espírito Santo, que muda a história dos que o recebem exige, não só abertura ecumênica, visão interconfessional, respeito por todos os credos e religiões, mas, muito especialmente, um compromisso concreto com ações políticas de prosperidade econômica voltadas ao progresso de todos os que vivem em sociedade

sexta-feira, 6 de abril de 2018

CONSTITUIÇÃO RASGADA



A questão que se põe é o ex-presidente Lula, sendo que sempre fui contra a política externa de sua gestão, tendo escrito exaustivamente sobre o assunto em meu blog https://cesartechio.blogspot.com.br/.

Todavia, é preciso convir, que a prisão de um ex-presidente, a meu ver, é simplesmente traumática.
E não se discute aqui o mérito de sua gestão administrativa, que,  buscou implantar políticas públicas que favoreceram a população mais pobre, dando-lhes a chance de dignidade humana.

Infelizmente, o que se observa com a prisão do Lula, é um festejo de uma DIREITA RADICAL, OBSCURA, FORA DA CASINHA, que não consegue fazer uma reflexão adequada da questão de Direito que está em jogo no país, direita, aliás, que muito se beneficiou das políticas de crédito e de desenvolvimento do governo Lula.

Ora vejam, sou ouvinte e leitor diário do REINALDO AZEVEDO, uma das cabeças mais inteligentes  DO CORRETO PENSAMENTO DA DIREITA NO PAIS, (coluna diária em  http://www3.redetv.uol.com.br/blog/reinaldo/ ),RADIO BANDNEWS   www.bandnewsfm.com.br/ todo dia as 18hs e  FOLHA DE SÃO PAULO (https://www1.folha.uol.com.br).

Pois bem, É COM BASE EM LEITURA DE CABEÇAS PENSANTES DE DIREITA, que é possível dizer, da mesma forma que REINALDO DE AZEVEDO disse dia 6/04/2017, de que é   evidente que Lula está sendo vítima de um processo de exceção e de procedimentos que agridem o direito de defesa:


“Não há mais meio-tom, meias palavras, ambiguidades. Lula, ex-presidente da República, está sendo vítima de um processo de exceção. Interpretações exóticas dos códigos legais estão se infiltrando em franjas dos tribunais e do Ministério Público Federal para fazer do que chamo “Partido da Polícia” uma espécie de ente de razão que tutela a democracia brasileira. Tanques não devem se comportar como togas. Togas não devem se comportar como tanques.

A autorização dada pelo TRF-4 para prender Lula, com a imediata determinação expedida pelo juiz Sérgio Moro, pegou a todos de surpresa porque não houve o trânsito em julgado do processo nem na segunda instância. Isso é conversa mole do Reinaldo Azevedo? Não! Reproduzo trecho da entrevista que o desembargador Carlos Thompson Flores, presidente do TRF-4, concedeu às 11h desta quinta à rádio BandNews FM, onde ancoro “O É da Coisa”:

“Se forem interpostos novos embargos de declaração, uma vez eles sendo julgados, a partir deste momento, o relator pode comunicar ao juiz Sergio Moro o cumprimento da decisão (…) Não há um prazo. Os embargos anteriores foram julgados mais ou menos em 30 dias (…) Agora, anuncia-se que poderá haver nos embargos, então, eu acho que, o mais tardar em 30 dias, isso deve estar sendo julgado”.

A fala é clara. Thompson Flores é presidente do tribunal que confirmou a condenação de Lula e ainda lhe majorou a pena. O entendimento pacífico a respeito é o de que se aguarda ao menos o trânsito em julgado na segunda instância. Seis horas depois, a autorização foi expedida pela Oitava Turma do TRF-4, antes, portanto, de a defesa ter entrado com o recurso cabível, cujo prazo se esgota no dia 10. Se a Constituição não existe, como decidiu o STF na quarta, então tudo é permitido” (texto integral na FOLHA)

ENTÃO,  O QUE ESTÁ POR TRAS DO JULGAMENTO DE LULA, NÃO É O LULA, MAS SIM O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO. MORO, que sempre admirei, SMJ,  RASGOU O CÓDIGO DE PROCESSO PENAL E A CONSTITUIÇÃO, ASSIM COMO FIZERAM SEIS MINISTROS DO STF.

POR QUE?

PORQUE a Constituição Federal, em seu artigo 60, §4º, remove da disponibilidade do Legislador Ordinário a possibilidade de propor emenda com a finalidade de:

"Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta: (...)

§ 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:

I - a forma federativa de Estado;

II - o voto direto, secreto, universal e periódico;

III - a separação dos Poderes;

IV - os direitos e garantias individuais.”


Pois bem, a “presunção de inocência”, está prevista no art. 5º, LVII, portanto, trata-se de espécie de direito e garantia individual, de modo que nem emenda constitucional poderá se abater sobre ela.

Que "flexibilização da presunção de inocência" é essa  de que fala a suprema Corte, se se trata de princípio constitucional e de cláusula pétrea?

Se está simplesmente contextualizando para um caso específico em concreto a interpretação de regras pétreas, imutáveis, da constituição.

 E qual o contexto atual para quem é de direita? Cadeia para Lula!

E para quem é de esquerda? Aplica-se a constituição. 

Mas será que este contexto é para quem é de esquerda, ou para quem é fiel respeitador ao que reza a Constituição Federal.

TRANSITO EM JULGADO É PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL QUE DEFENDE A LIBERDADE INDIVIDUAL, UM DOS VALORES MAIS CAROS DO NOSSO SISTEMA DE DIREITO.

NÃO SE TRATA DE POLÍTICA DE ESQUERDA OU DE DIREITA, MAS DE DEFESA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.

Por fim, no caso do ex-presidente Lula, sequer foi publicada a decisão do STF negando o HC, muito menos escoou os prazos recursais no TRF4, conforme decisão do próprio TRF4.

Então, como mandar prender antes da publicação e do transcurso dos prazos recursais determinados pelo próprio TRF4?

Perderam o Juízo?

O Código de Processo Penal, o corpo normativo que trata do assunto e a Constituição ainda estão vigendo?

Que ânsia é esta de atropelar o Estado Democrático de DIREITO?